14
Mai 08

Os casais inférteis que não conseguem ser tratados pelo serviço público vão começar, até ao final do ano, a ser encaminhados pelo Serviço Nacional de Saúde para o sector privado, anunciou hoje a ministra da Saúde.

"Estamos a trabalhar num sistema informático para poder encaminhar os casais que não tenham acesso [a tratamentos no sector público] para serem enviados para o sector privado", declarou Ana Jorge aos jornalistas à saída do Fórum Saúde promovido pelo Diário Económico que hoje decorre em Lisboa.

A ministra estimou que até ao final deste ano os casais já possam ser encaminhados para o sector privado para os tratamentos com técnicas de Procriação Medicamente Assistida (PMA).

Referindo que no sector público já há actualmente alguns tratamentos e consultas de PMA, a governante reconheceu que a capacidade instalada no SNS é insuficiente para as necessidades dos casais portugueses.

 

Créditos: Sapo/Lusa

Publicado por Angel@ - BabyClub às 11:20

12
Mai 08

O teste "MeninoouMenina", já a ser realizado em Portugal, permite aos pais conhecerem o sexo do bebé com apenas 8 semanas de gestação e poderá funcionar também como ferramenta de apoio médico.

 O Genelab - Diagnóstico Molecular, em parceria com a Clínica Universitária de Genética da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, acaba de desenvolver uma tecnologia para a determinação do sexo dos bebés a partir da 8ª semana de gravidez, ao contrário das actuais 18 a 22 semanas necessárias para que seja perceptivo na ecografia.
Este teste inovador, desenvolvido com base em técnicas de biologia molecular e já disponível a todos os futuros pais, chama-se "MeninoouMenina" e Portugal será o primeiro país europeu a desenvolvê-lo.
A análise será efectuada a partir de uma pequena amostra de sangue da grávida obtida a partir das 8 semanas de gravidez, sendo a base desta tecnologia o facto de no sangue materno circularem células fetais, a partir dais quais é possível determinar o sexo do bebé. Desta forma, reduz-se pela primeira vez para metade o tempo de espera necessário para a identificação do sexo do bebé.
 Segundo explica em comunicado a Genelab, esta tecnologia «não se limitará a dar resposta à curiosidade dos pais, mas também irá servir como um diagnóstico médico auxiliar».
«Em algumas situações em que existe um historial familiar de doenças é importante saber o quanto antes o sexo do bebé, pois quanto mais precocemente se iniciar o tratamento in-útero maior será a possibilidade de sucesso destes tratamentos», afirmou a empresa. Como tal, este diagnóstico apresenta-se também como uma ferramenta de apoio médico.
Para já, e de acordo com a Genelab, a identificação do sexo fetal não substitui outros exames, como a amniocentese, que permite diagnosticar o síndrome de Down e outras alterações cromossómicas, ou mesmo genéticas.
 

Mais informações: Menino ou Menina

Publicado por Angel@ - BabyClub às 14:20

17
Abr 08

Acordar o país para as consequências da quebra da natalidade é o objectivo da petição que propõe a criação do Dia da Natalidade / Dia da Grávida.

Portugal perderá nos próximos 25 anos um quarto da sua população e até 2050 o número de idosos poderá ultrapassar o dobro do número de jovens. Estas são previsões do Instituto Nacional de Estatística (INE) que se tornarão uma realidade se a tendência actual de quebra na natalidade não for invertida.

Como forma de acordar o país para esta perspectiva os organizadores do evento Barrigas de Amor decidiram enviar à Assembleia da República uma petição para que seja instituído o Dia da Natalidade (e Dia da Grávida) no dia 9, do mês 9, do ano 2009. Tendo a gestação a duração de 9 meses, este foi o dia com mais simbolismo que a equipa da YProd encontrou para pôr o problema da quebra de natalidade na agenda.

Na apresentação da segunda edição do evento Barrigas de Amor, que aconteceu hoje de manhã, no Parque dos Poetas, em Oeiras, Yolanda Noivo, directora de imagem da YProd, referiu que a «iniciativa de criar o Dia da Natalidade tem como objectivo que pelo menos uma vez por ano se fale neste problema».

No âmbito das iniciativas para assinalar o Dia da Natalidade está programada uma edição filatélica, em parceria com os CTT, e o lançamento de uma lotaria especial dos Jogos Santa Casa.

Créditos: IOL MÃE

 

Eu já assinei a petição. Queres assinar também?

Caregue neste link

Publicado por Angel@ - BabyClub às 15:30

05
Abr 08

Com a nova lei de custas judiciais os candidatos a pais adoptivos teriam de pagar 576 euros para iniciar o processo.Adopção sem custas judiciais

 

O Governo prepara-se para recuar na aplicação de custas judiciais à abertura dos processos de adopção e isentar os candidatos a pais adoptivos do pagamento de 576 euros, segundo apurou o CM. Após fortes críticas da Oposição e associações ao fim da isenção das taxas para quem queira iniciar um processo de adopção, o Governo vai rever, até ao final desta legislatura, a aplicação de custas judiciais nestes casos.

Para agilizar o regime de adopção em Portugal o Governo está a preparar um conjunto de medidas, que deverão estar concluídas até ao final desta legislatura, segundo confirmou ao nosso jornal uma fonte governamental. Questionada sobre as custas judiciais, a mesma fonte garantiu que esse será um assunto a abordar, mas recusou avançar em que sentido. Mas o CM apurou que a intenção é eliminar as taxas previstas no novo Regulamento das Custas Processuais, que entrará em vigor em Setembro, para os processos de adopção.

 

Na próxima quarta-feira o PSD apresenta na Assembleia da República um projecto de lei que isenta de custas judiciais os processos de adopção através de uma alteração ao novo código de custas processuais.

 

"É um absurdo que os processos de adopção paguem custas judiciais. Em vez de se facilitar a adopção e impedir que as crianças sejam depositadas em instituições cria-se uma verba inqualificável", afirmou a deputada social-democrata Zita Seabra, autora do diploma, que é ainda subscrito por Santana Lopes, Fernando Negrão, Rui Gomes da Silva, entre outros.

 

Questionada sobre o recuo do Governo, Zita Seabra mostrou-se satisfeita. "Se o Governo recuar fico muito contente. É um bom sinal para o País porque também é preciso dar um sinal ao País de que é bom adoptar."

As críticas do PSD ao fim da isenção de custas judiciais nos processos de adopção causou surpresa ao Bloco de Esquerda: "O texto que deu origem ao novo regulamento publicado em Diário da República em Fevereiro era do conhecimento dos partidos. Espanta-me agora que o PSD se indigne com algo que votou a favor", disse a deputada Helena Pinto, citada pela Lusa.

 

CONTER ACESSO AO TRIBUNAL

O Ministério Justiça justificou a alteração legislativa que determinou o fim da isenção do pagamento de custas judiciais nos processos de adopção "com a excessiva litigiosidade neste campo do direito e com a necessidade de acautelar uma certa contenção no recurso ao tribunal". A nova lei, que entrará em vigor em Setembro, indica que terá de ser pago um valor inicial de 576 euros que poderá ser devolvido no final do processo depois de transitar em julgado. "A parte deverá logo pagar a taxa de justiça, mas esta será deduzida de quaisquer outros pagamentos que sejam devidos", explicou o Ministério, adiantando que caso não haja encargos os montantes pagos são devolvidos à parte.

 

Créditos: Correio da Manhã

Publicado por Angel@ - BabyClub às 11:54

03
Abr 08

A Deco - Associação de Defesa do Consumidor detectou "substâncias perigosas", por poderem causar alergias, eczemas e irritação na pele, em cinco dos 15 pijamas infantis analisados. As marcas Billy Blue BG Folich, Chicco Chi by Night, Noddy (Verbauet), Ruca (Fábrica de Tecidos Jacinto) e Prénatal Giants Club apresentaram ftalatos.

Esta substância plastificante encontra-se nos estampados e "estudos animais mostram que que pode prejudicar o fígado e os rins". O artigo publicado na "Teste Saúde" de Abril alerta ainda para o facto destes químicos serem "sobretudo perigosos em artigos de puericultura destinados a crinças pequenas, que os levam à boca por longos períodos."

No pijama Prénatal Giants Club foi ainda encontrado formaldeído, um composto orgânico "reconhecido como cancerígeno" para o ser humano e "o contacto directo com a pele, em especial das crianças, pode provocar irritação".

Sem propósito publicitário, mas com o intuito de sossegar os pais quanto às restantes dez marcas que passaram no exame, o JN faz questão de as mencionar.

São elas as da Disney Tigger (H&M); Red Code; Oysho Peanuts Snoopy; Piratas das Caraíbas (La Redoute); C&A Disney Pixar, Zara Super Homem; Graipe de Rêve (Fabio Lucci); Benetton Red Wood Mall; Petit Patapon Bed Time e Disney Minnie Dance. Por não haver uma lei reguladora para os têxteis infantis, a Deco avaliou o teor de químicos "com base na norma ÖKo-Tex Standard 100" e os ftalatos pela "directiva dos brinquedos e artigos de puericultura".

A Deco informou os respectivos fabricantes do resultado do estudo, mas segundo Fátima Ramos, apenas a Billy Blue reagiu, garantindo que a próxima colecção já não conterá a tal substância. A Prénatal respondeu que os seus pijamas "estavam dentro da lei".

Porque foi analisada a presença de corantes, formaldeído, ftalatos, benzeno e metais pesados e destas substâncias "apenas os corantes azóicos, que libertam compostos cancerígenos, têm limites definidos numa directiva".

"A escolha foi aleatória. Procurámos marcas representativas e fomos a grandes cadeias de distribuição e hipermercados", explicou a técnica, que adiantou ao JN estar este resultado "dentro da média europeia". Ou mesmo acima, uma vez que em Portugal não foram detectados corantes.

A quem compra roupa para crianças, Fátima Ramos aconselha a preferência pelo rótulo ecológico europeu ou Öko-Tex, como garantia de ausência de químicos nocivos e a lavagem obrigatória e prévia de qualquer peça têxtil (a elevadas temperaturas) "porque desta forma se elimina grande parte do risco.

 

Créditos: Jornal de Notícias

Publicado por Angel@ - BabyClub às 19:40
tags:

Pesquisar no BabyClub
 
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


blogs SAPO